IFF/Fiocruz realiza a I Jornada da Área da Mulher

Atualmente, um dos grandes méritos dos profissionais e serviços de saúde tem sido a ampliação não só do acesso à assistência, mas também da qualidade desse trabalho, garantindo cada vez mais que a mulher seja assistida como um todo. Para que esse atendimento seja realizado de forma humanizada e qualificada, a Área de Atenção Clínico-cirúrgica à Mulher do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) realizou, no dia 5 de julho, a I Jornada da Área da Mulher, que teve como principal objetivo apresentar os serviços assistenciais prestados à mulher e a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e colo de útero.

“Ao longo dos últimos trintas anos a atenção ginecológica do IFF passou por uma modernização no sentido de realização de novos procedimentos minimamente invasivos e de incorporações tecnológicas, a fim de trazer um menor risco à saúde da mulher. A criação e desenvolvimento do serviço de patologia cervical; os avanços na histeroscopia diagnóstica e cirúrgica; a ampliação dos procedimentos de videolaparoscopia e a detecção precoce do câncer de mama, através da biópsia guiada por ultrassonografia são alguns dos nossos procedimentos assistenciais que são possíveis devido à qualificação técnica dos profissionais e investimentos tecnológicos na área”, ressaltou a chefe de gabinete da Direção e assistente social da Área de Atenção Clínico-cirúrgica à Mulher do IFF/Fiocruz, Ana Lúcia Tiziano. Para mostrar como esse trabalho é realizado e os seus fluxos de atendimento, diversos assuntos envolvendo a temática foram apresentados durante o evento.


O evento foi prestigiado por profissionais de diversas áreas do Instituto

Para iniciar a Jornada, o diretor do IFF e ginecologista da Área de Atenção Clínico-cirúrgica à Mulher, Fábio Russomano, fez uma explanação sobre a elaboração e atualização das Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer de colo de útero, publicação que faz parte de um conjunto de materiais técnicos consoantes com as ações da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer e visa subsidiar os profissionais da saúde em suas práticas assistenciais e apoiar os gestores na tomada de decisão em relação à organização e estruturação da linha de cuidados da mulher com câncer de colo de útero. “Tivemos a oportunidade de coordenar a confecção desse trabalho, sabemos que essas diretrizes são importantes para auxiliar o Ministério da Saúde (MS) na identificação de unidades de atenção à saúde que precisam estar capacitadas a realizarem colposcopia e atuarem no tratamento das lesões precursoras do câncer de colo de útero”, enfatizou Russomano.

Na oportunidade, Russomano falou ainda sobre a participação de instituições públicas de referência em saúde e da sociedade como um todo na elaboração do conteúdo. “O mais importante desse processo de construção foi a ampla participação dos profissionais e da sociedade que garantiu que o texto final fosse reconhecido por todos. Hoje, praticamente, não utilizamos as diretrizes americanas para consultoria, preferimos as diretrizes brasileiras que nos atendem perfeitamente”, respaldou o médico ginecologista.

Na sequência, a ginecologista obstetra e coordenadora da Gerência do Câncer da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS/RJ), Vânia Sitepanowez, fez uma apresentação sobre o cenário atual do rastreamento do câncer de colo de útero no município do Rio. Ela mencionou as diretrizes nacionais da Política Nacional de Atenção Oncológica como principal guia na condução de protocolos. “Essas diretrizes nos dão um norte de como devemos proceder no encaminhamento e rastreamento das pacientes que chegam através do Sistema Único de Saúde (SUS)”, pontuou.

Outro ponto levando pela palestrante é que as ações realizadas incluem estratégias para detecção precoce do câncer, baseado na observação de que o tratamento é mais efetivo quando a doença é diagnosticada em fases iniciais; garantia da grade de referências, com o fortalecimento do sistema de regulação; monitoramento da cobertura das populações alvo, qualidade da prestação de serviço, do acesso, oferta de exames e resultados. “A rede de atenção oncológica é composta por vários pares que devem executar seus papéis harmonicamente, com qualidade para que haja sucesso no controle do câncer, repercussões físicas, psíquicas e sociais causadas pelo câncer”, enfatizou Vânia.

Câncer de mama: entenda a classificação BIRADS

Dando prosseguimento ao evento, a gerente da Área de Atenção Clínico-cirúrgica à Mulher e médica mastologista do Instituto, Viviane Esteves, iniciou a sua apresentação falando sobre a importância do acolhimento às mulheres que procuram o Serviço com nódulos ou lesões suspeitas de câncer de mama. “É importante que essa mulher, ao procurar o serviço, receba uma escuta qualificada, que todas as suas dúvidas e medos sejam sanados, que ela entenda o real objetivo da biópsia e como esta é realizada, que ela receba um cuidado holístico para garantir uma assistência individualizada e satisfatória”, frisou Viviane.


A mastologista Viviane Esteves falou sobre
a importância do acolhimento às mulheres com
um possível diagnóstico de câncer de mama

Outra apresentação feita pela médica foi sobre os tipos de biópsias para detecção do câncer de mama e a definição do termo BIRADS – método de sistematização internacional para a avaliação mamária, interpretação do exame e confecção dos laudos de exames de imagem especificamente da mama. “É uma padronização mundialmente adotada em qualquer lugar do mundo, qualquer médico especialista nesta área entenderia uma classificação BIRADS 5, por exemplo”, complementou. Ainda sobre as lesões mamárias (cistos, nódulos, calcificações), que muito apavoram as mulheres, a mastologista Viviane ressaltou que a maioria dos nódulos e das microcalcificações mamárias são benignos, ou seja, a presença em si de nódulos ou microcalcificações não quer dizer de forma alguma que a paciente está com câncer de mama.

O evento foi realizado durante todo o dia, no período da tarde os temas abordados foram Uroginecologia; Diagnóstico da incontinência urinária; Bexiga hiperativa: Abordagem terapêutica; Tratamento cirúrgico do prolapso do compartimento anterior: Estado atual e experiência do IFF/Fiocruz; Atuação da fisioterapia pélvica nas distopias genitais; Histeroscopia; Indicações; Experiência do IFF/Fiocruz; Histeroscopia cirúrgica e novas tecnologias; Controle hídrico na histeroscopia cirúrgica e Enfermagem no pós-operatório em ginecologia: Experiência no IFF/Fiocruz.

Informações Adicionais